Pages

1 de ago de 2010

Cinelista: Os 10 'Melhores' Filmes da Sessão da Tarde / Cinema em Casa



A Sessão da Tarde e o Cinema em Casa formaram o caráter de muitas crianças. Eu não fui diferente. Se eu sou o que sou hoje, alguns dos responsáveis por isso são os programadores da Rede Globo e do SBT, que selecionavam os filmes que seriam transmitidos durante a tarde. Enquanto assistia a atração do dia, não trocava de canal na expectativa de anunciarem um filme que eu gostasse para ser o escolhido do dia seguinte. Ainda bem que esses dois “programas” não eram exibidos no mesmo horário; era do SBT para a Globo, sempre nessa ordem – claro, se o filme prestasse, pois eu não perdia meu tempo assistindo “Enchente: Quem Salvará Nossos Filhos?” nem “O Carro Desgovernado”, só pra citar alguns. Era praticamente um ritual religioso: antes da sessão, preparava toneladas de pão bisnaguinha com manteiga e o toddy naqueles copos gigantes do Alladin e sentava no tapete da sala para saborear mais um filme. Bons tempos aqueles... Hoje, a Sessão da Tarde ainda está de pé, mas acredito que não carrega a mesma magia como nos tempos passados; e o extinto Cinema em Casa foi preterido pelo Silvio Santos, em 2002, por aquela novela imbecil da cigana mexicana (“Salomé”, confirmam?) e tentou ganhar nova forma no ano passado, mas foi uma tentativa frustrada porque não dava audiência. E daí? “Chaves” (outro formador de caráter) é a salvação.

Vamos ao teste: você também era um viciado?
Eu desafio o leitor a não dar pelo menos UMA resposta afirmativa para as questões seguintes:

* Quem nunca quis um skate voador?
* Quem nunca quis dirigir uma Ferrari vermelha em marcha ré?
* Quem nunca quis ficar preso no supermercado com a garota mais bonita do colégio?
* Quem nunca quis tocar as teclas de um teclado com os pés?
* Quando ia ao shopping, quem não procurava uma manequim igual a do filme?
* Quem jamais se escondia no armário quando brincava de esconde-esconde em casa?
* Quem não invejava o maldito do Macauley Culkin?
* Quem nunca se borrou de medo com os filmes de terror impróprios do Cinema em Casa? (Há!)

* E acima de tudo: quem nunca desejou que o Herbert Richards fosse seu pai?

Puxei na memória os meus 10 filmes preferidos da Sessão da Tarde e do Cinema em Casa. Já espero algumas pessoas comentando a ausência de grandes clássicos das sessões vespertinas como “Curtindo a Vida Adoidado”, “Clube dos Cinco”, “As Patricinhas de Beverly Hills”, “Edward – Mãos de Tesouras”, “Os Goonies”... é uma infinidade! Mas o leitor deve levar em consideração que essa lista pessoal é mais romântica do que racional. Trata-se dos filmes favoritos de um garoto de 6 a 11 anos, comportado, inocente – embora a Elvira com seus peitos (literalmente) hipnotizantes – e que não tinha lá um gosto/senso crítico tão apurado para reconhecer uma “grande” obra. Se eu rever os filmes da minha lista nos dias atuais será (um pouco) embaraçoso... ou não. Sinceramente, acho que a vergonha não vai se sobrepor ao sorriso estampado no rosto. Pura nostalgia, foi uma fase deliciosa que não volta mais e se eu tiver a oportunidade de poder reassistir esses filmes, largo o que estou fazendo para conferir e só lamentarei a ausência do toddy com as bisnaguinhas.





10) “3 Ninjas” (1992), de Jon Turteltaub


Onde: Sessão da Tarde

O fato de eu ter sido criado com outros dois irmãos mais velhos já explica muita coisa de “3 Ninjas” figurar no meu ranking. A gente sempre brincava de lutinha (eu sempre levava uma surra por ser o caçula) e tentávamos imitar os golpes de karatê dos irmãos Rocky, Colt e Tum Tum – isso também se repetia com os Power Rangers. O filme pegou carona no sucesso de “Karate Kid”, pois vários de seus elementos também estão presentes no clássico dos anos 80, não poupando nem a cópia da figura oriental que representa o treinador dos garotos, em uma alusão ao eterno Senhor Miyagi. A propósito, eu adorava filmes em que crianças batiam em adultos, era muito mais desafiador e divertido.



9) “Corra que a Polícia Vem Aí” (1988), de David Zucker

Onde: Sessão da Tarde

Se eu assisti as últimas sequências aborrecidas da série “Todo Mundo em Pânico” é porque eu não dispenso nenhum filme que tenha a ilustre presença de Leslie Nielsen. Um dos comediantes pastelão mais bem sucedido do cinema, Nielsen não precisa se esforçar para fazer rir, é um raro exemplo de ator naturalmente engraçado. Neste filme, encontrou o ápice de sua carreira ao interpretar o atrapalhado tenente da polícia Frank Debrin, que ao lado da frágil Jane Spencer – Priscila Presley, a mulher mais invejada do mundo – formavam um dos casais mais engraçados e dinâmicos que se tem nota. As sequências de “Corra que a Polícia Vem Aí” foram boas, mas nada que se iguala à irreverência e cinismo do original, que me arranca boas gargalhadas até hoje.



8) “Class Act – Alunos Muito Loucos” (1992), de Randall Miller

Onde: Sessão da Tarde

Lembro que meu irmão mais velho adorava “Class Act”, mas eu não entendia muito bem as entrelinhas porque tinha um conteúdo “mais adulto” do qual eu ainda não dominava. Dois rapazes têm a identidade trocada, um deles é nerd e o outro, um delinquente que já foi preso várias vezes. Eles se desentendem no começo, mas depois se tornam amigos e surgem interesses amorosos no meio do caminho – e aí estão as cenas que eu não pegava muito bem por que o carro balançava etc e tal. Doce inocência! O filme é bem idiota, mas é engraçadíssimo. Os 35 minutos finais em que os personagens estão dentro de uma casa abandonada e em um jogo de perguntas e respostas é sensacional. A dupla de atores Christopher Reid e Christopher Martin fez mais sucesso com a trilogia “House Party” – exibidos pelo Cinema em Casa –, mas “Class Act” é insuperável.



7) "Uma Cilada para Roger Rabbit" (1988), de Robert Zemeckis

Onde: Cinema em Casa

Esse filme foi um divisor de águas para mim porque foi o primeiro em que consegui gravar inteiro em uma fita VHS, cortando os intervalos. Tinha uns 7 anos de idade e preservo a fita na minha casa até hoje – com muita poeira, preciso ressaltar. Sem falar que o filme é um máximo, um grande clássico do cinema, um dos primeiros filmes a mesclar a animação com o live action, fruto de uma produção milionária e cujo orçamento foi facilmente superado nas bilheterias por se tratar de uma novidade tão incrível. Vários outros filmes filhotes depois repetiram a mesma técnica ao misturar o mundo real com animação como “Mundo Proibido” e “Space Jam” – ambos também do Cinema em Casa. Vencedor de 3 merecidas estatuetas do Oscar, “Uma Cilada para Roger Rabbit” é divertido, bem humorado e conta com uma história eletrizante. E Jessica Rabbit, bem... dispensa qualquer comentário.



6) "Cheque em Branco" (1994), de Rupert Wainright

Onde: Cinema em Casa

“Riquinho” que nada! Filme chato, sem graça, moleque folgado que tinha tudo na mão com facilidade. Legal mesmo era a história de Preston Waters, que, ao ter sua bicicleta destruída por uma Mercedes luxuosa, recebe um cheque em branco de um homem ameaçador. O garoto, muito esperto, cria uma identidade falsa (Macintosh) e completa o cheque com o valor de 1 milhão de dólares. Com essa grana, ele constrói uma mansão cheia de brinquedos (o do tira ao alvo é o melhor), tem um cinema próprio em sua casa, come as melhores besteiras do mundo e ainda dá um beijo em uma jornalista que é muito mais velha do que ele, interpretada pela atriz Karen Duffy. O cara é o meu herói! Tudo o que eu quero na vida, ele conseguiu com 12 anos de idade. Ainda que o filme passe longe da realidade, é pura diversão.



5) "Cucamonga – Um Acampamento Muito Louco" (1990), de Roger Duchowny

Onde: Cinema em Casa

Não poderia faltar um filme de acampamento. E o escolhido não foi “Curso de Verão”, nem “Duro de Agarrar”, muito menos “As Namoradas do Papai”. Filme tímido e produzido para a TV americana, “Cucamonga – Um Acampamento Muito Louco” era um dos meus preferidos. Eu pouco me importava com o triângulo amoroso bobo entre os protagonistas, os melhores personagens eram mesmo os secundários, como o ator Jaleel White e a relação entre a jovem Jennifer Aniston – primeiro filme da ex-Brad Pitt – com o organizador do acampamento. Aliás, esse foi o primeiro filme de muitos atores jovens na época como Breckin Meyers, Danica McKellar – Winnie Cooper de “Anos Dourados” – e do Brian Robbins, que virou diretor e massacrou o público com bombas atômicas recentes como “Norbit” e “O Grande Dave”. Vez ou outra, eu me pego cantando a cançãozinha da sequência musical. “Cucamonga, Oh yeah! Oh yeah!”.



4) "O Menino Maluquinho" (1994), de Helvécio Ratton

Onde: Sessão da Tarde

Baseado no livro do escritor Ziraldo, sem dúvidas, “O Menino Maluquinho” foi o melhor filme nacional destinado ao público infantil. Não vou ficar expondo minhas aventuras infantis aqui no blog, mas eu basicamente copiava tudo o que o personagem-título fazia, inclusive colar gomas de mascar de propósito nos móveis para depois recolher todos e fazer uma bola grande de chiclete. Que bobagem! Mas eu não andava com panela na cabeça pra cima e pra baixo, eu era pequeno, mas tinha noção do ridículo =D São várias cenas que marcaram a minha infância, como quando eles andam de rolemã no meio da rua, o pé de manga do vizinho ou quando sua turma arruma briga com os outros moleques da cidadezinha. É um filme que ilustra maneiras de como aproveitar a melhor fase da vida. Imagina se fizessem “O Menino Maluquinho” nos dias de hoje: em vez da panela, estaria com um headset gigante na cabeça, óculos de 10 graus em cada olho e viciado em videogame e computador. Dá até desânimo de pensar.



3) "A Família Buscapé" (1993), de Penelope Spheeris

Onde: Sessão da Tarde

Esse nunca vai ficar velho, vira e mexe ainda passa na Sessão da Tarde e eu faço o possível para assistir algumas cenas. Versão cinematográfica da série famosa na década de 1960, conta a história de uma família de caipiras que ficam ricos repentinamente ao descobrirem uma fonte petrolífera no terreno em que moram. A adaptação dos Clampett na cidade grande não economiza nas gags, resultando em um dos filmes mais bobos e engraçados que eu já vi. Claro, isso tudo misturado com a perspectiva infantil que eu acompanhava tudo, mas ainda assim, sobrevive a umas boas sacadas e humor escrachado, mas, por vezes, inteligente.



2) "Esqueceram de Mim 2 – Perdido em Nova York" (1992), de Chris Columbus

Onde: Sessão da Tarde

O original também é ótimo, mas a continuação em que Kevin McCallister acaba pegando o vôo errado e desembarcando em Nova York é muito mais legal. Quem não queria ficar perdido na Big Apple com o cartão de crédito do papai? Além de uma ótima comédia e aventura – a sequência dos bandidos na mansão em reforma é inesquecível – o filme ainda desperta um espírito natalino muito relevante, discutindo assuntos sobre a importância da integração familiar e o sentido do perdão. Se separados Chris Columbus e John Hughes são os reis da Sessão da Tarde / Cinema em Casa, imaginem quando um dirige e o outro escreve o roteiro? Só poderia sair coisa boa. “Esqueceram de Mim 2” é um dos mais divertidos e melhores filmes que integra a programação da Sessão Tarde, pois não é à toa que ainda é exibido no Natal quase 20 anos após seu lançamento.



1) “Os Batutinhas” (1994), de Penelope Spheeris

Onde: Cinema em Casa

Se Hughes e Columbus são as principais figuras masculinas, Penelope Spherris ao lado de Amy Heckerling – que infelizmente não coube na lista – são as duas rainhas da Sessão da Tarde / Cinema em Casa. São diretoras que conseguiram compreender a infância e a juventude de uma época e reproduzi-la com êxito em seus filmes. Spherris, que já levou o bronze, leva o ouro por esse filme tão acolhedor e engraçado. O plot é sobre um clube exclusivo de garotos que odeia as meninas, mas um de seus principais membros acabou se apaixonando e eles juram vingança contra o lendário Alfafa. Desde o piquenique no clube, passando pelo balé improvisado, até a cantoria com bolhinhas de sabão e culminando na sensacional sequência da corrida de carrinhos (quem não queria ter um daqueles?), “Os Batutinhas” era facilmente o meu filme preferido de todos. Vai um picles aí?

12 comentários:

cleber eldridge disse...

OK. Nunca quis um Skate voador, e muito menos ficar preso no mercado com a garota mais bonita da escola, acho que só, heheheh

Senti falta dos meus dois grandes favoritos da Sessão da tarde Clube dos Cinco, e o perfeito Curtindo a Vida Adoidado, mas como é uma lista pessoal tem que levar em consideração.

Cara, os 3 Ninjas é um clássico, meu Deus, eu brincava sempre de que eu era um Ninja, DEUS, que vergonha e que saudade desses bons tempos, que nunca voltaram.

Wally disse...

"Cheque em Branco" (quantas vezes vi esse filme, meu deus!!) e "Os Batutinhas" são meus preferidos - confesso que até adquiri recentemente este último, rs.

Reinaldo Glioche disse...

Sensacional! Mais uma incrível Cinelista. Bem sacada, divertida e nostálgica. Parabéns Elton. Mudaria pouca coisa aí. Talvez incluísse A lagoa azul e De volta a lagoa azul e moveria A família buscapé para o primeiro lugar. Pelo menos lá em casa foi assim... rsrs

Grande abraço!

vitor silos disse...

Muito nostálgico o seu post, parabéns, adorei!
Eu gostava muito de Os Batutinhas, Família Buscapé, Cheque em Branco (caraca, eu sempre ficava pensando sobre o que eu faria com um cheque em branco...) e Um Cilada para Roger Rabbit.
Mas eu gostava de Enchente, quem salvará nossos filhos? rs, achava tão triste.

Abraço

Vitor Silos
www.volverumfilme.blogspot.com

@Raspante disse...

Foi como voltar a minha infância, rs
Sempre quis dirigir uma ferrari vermelha de marcha ré, já quis fica preso com a garoa mais bonita no supermercado. E sim, eu quando criança olhava as manequins pra ver se tinha alguma igual a moça do filme "Amor de Manequim" HAHAHA.

Gostei da sua lista, eu vi todos os citados, alguns, claro tenho que rever!

Em minha lista está apenas incluindo "curtindo a Vida adoidado", "Lagoa Azul" e meu favorito: "Elvira a Rainha das Trévas (já até escrevi sobre ele em meu blog..)".

Ótima lista, cara!

Saulo S. disse...

Tu não gostava de "Enchente: quem salvará nossos filhos"? Eu adorava hahah eu e Vitor, meu irmão, víamos sempre que passava, achava muito triste!hehe

Realmente a seção da tarde e o cinema em casa formaram meu carater, adorava Conta Comigo, Os Goonies, Cheque em branco, pérolas!

Abraço
volverumfilme.blogspot.com

Gui Barreto disse...

Muito legal sua lista...acho que Sessão da Tarde tem cara de Lagoa Azul e Cinema em Casa tem cara de A Noite dos Mortos Vivos, mas lembro de ter visto repetidas sessões de todos da sua lista...legal..gostei

Abrs

pseudo-autor disse...

Cara, seu blog ganhou mais um visitante só pelo post de hoje. Nostalgia pura! E não consegui dizer não pra nenhuma das perguntas. Corra que a polícia vem aí e Uma cilada para Roger Rabbit fundaram a magia por trás da sessão da tarde (junto com Os Goonies, você lembra? só faltou esse na lista!).

Cultura na veia:
http://culturaexmachina.blogspot.com

Mayara Bastos disse...

Putz, adorava assistir esses filmes várias vezes. rsrs. Meu favorito é "Esqueceram de Mim", amo demais esse filme! rsrsrs. ;)

Rodrigo Mendes disse...

Muito boa a lista. Lembro de todos os filmes e me veio a nostalgia!

Saudades das minhas tardes em ambas as emissoras!

Tbm incluo: Curtindo a Vida Adoidado de John Hughes (1986), Bethoven, O Pestinha 1 & 2, Os caça-Fantasmas 1 & 2 de Ivan Reitman, Elvira: A Rainha das Trevas, Alan Quartemain (As Minas do rei salomão e A Cidade do Ouro Perdido), Os Goonies..enfim..hehehe

Abs,
Rodrigo

leo disse...

Lista incrível,confesso que quando estou em casa a tarde (raríssimo) e passa algum desses filmes não perco nem se me ameaçarem.
gosto muito mesmo,sempre lembro das tardes vindas da escola e do pão de queijo da minha vó,rsrsrsrsrs.
Abraços ;D

Anônimo disse...

cara sem comentários,

tempo bom que nao volta mais...

me lembro no tempo que eu chegava da escola almoçava, tomava um banho e me preparava jogando meu master system até começar os mais bélos filmes que uma criança ja poderia ter visto.

mas é como voce mesmo disse:

''tempos que não voltam mais...''