Pages

15 de jun de 2010

Direito de Amar


Após assistir ao filme “Direito de Amar”, assinado pelo estilista Tom Ford, costurei algumas similaridades desta produção com uma pequena preciosidade britânica chamada “Hunger” – que, lançado em 2008, ainda continua inédito no Brasil e continua sem previsão de estreia por aqui. Assim como Ford, o artista plástico Steve McQueen jamais havia trabalhado com cinema anteriormente e, considerando a inexperiência de ambos em uma função um tanto quanto desafiadora, é mais do que admirável constatar o resultado positivo que alcançaram em seus trabalhos como estreantes. A razão por ter estabelecido esse paralelo entre esses ótimos filmes não tem apenas como motivo o fato de que os dois diretores são novatos atrás das câmeras, muito menos porque são artistas de outros segmentos experimentando o sabor do cinema, mas sim, pelo desafio a que se proporam de retratar histórias estritamente introspectivas e espinhosas logo em seus primeiros trabalhos. Não era uma tarefa fácil, mas para sorte de Ford e McQueen, eles tiveram respaldo de profissionais da área técnica e de atores completamente imersos em personagens frágeis e de exigente caracterização – refiro-me a Colin Firth e Michael Fassbender, de “Hunger”. O resultado são dois grandes filmes que mereciam mais destaque do que realmente tiveram no ano de seus respectivos lançamentos.

Baseado na polêmica obra autobiográfica de Christopher Isherwood, “Direito de Amar” é escrito pelo próprio Ford em companhia do também estreante David Scearce. Passado no turbulento ano de 1962, quando a disputa territorial entre Estados Unidos e Cuba estava em andamento, o filme se baseia no dia posterior de um professor universitário ao saber da morte de seu parceiro há 16 anos. Desiludido, a única alternativa encontrada pelo homem é o próprio suicídio, que pretende realizar na noite do mesmo dia. Porém, no meio do caminho, George (Firth) cruza com pessoas e situações que acabam fazendo-lhe dar uma nova chance a si mesmo.


Um dos grandes trunfos de “Direito de Amar” é a serenidade que acompanha todo o transcorrer do filme. Embora o tema seja naturalmente doloroso, os roteiristas se mostram perspicazes por não recorrer a artifícios sentimentalistas com o objetivo determinado de fazer o espectador se debulhar em lágrimas. Como exemplo, temos o momento em que presenciamos a notícia recebida por George de que seu parceiro de longa data morreu em um acidente. Enquanto muitos aproveitariam a situação para explorar a dor do protagonista, a continência de Ford se resume a mostrar um close na face do personagem, que amparado pela ausência de música e pela pontualidade de Firth, resulta em uma cena econômica e, ao mesmo tempo, tocante e arrebatadora. Sem alterar o tom rítmico ou extrapolar em alguma cena para que se torne uma experiência “marcante”, a homogeneidade da história é sóbria, atrativa e pode ser considerada pessoal, pois acaba transferindo a responsabilidade ao espectador de administrar cada sentimento ao testemunhar as cenas rigorosamente arquitetadas pelo diretor.


Por outro lado, como qualquer estreante no ofício, Tom Ford não é uma exceção à longa lista de diretores novatos que extrapolam nos estilismos e na composição milimetricamente calculada das cenas. Embora esse perfeccionismo seja um deleite para os olhos, em certas situações acabam, involuntariamente, obstruindo maior aproveitamento do que se passa em cena; mas, certas vezes, também confere mais charme e elegância ao conteúdo em si, como o belo registro de quando o casal está conversando deitado sobre uma montanha sinuosa em um p&b convidativo. A propósito, o trabalho de iluminação do diretor de fotografia Eduard Grau é fabuloso e traduz significados importantes à trama. Percebam que a luz nunca está diretamente apontada para George, já que o mesmo se encontra em uma fase de “trevas” e solidão, enquanto as pessoas que se dirigem a ele sempre aparecem iluminadas com uma cor intensa. Sem falar nas alternâncias da luz pálida, quase sépia, para um ambiente mais quente e saturado. A estética do filme é impecável, incluindo-se os detalhes ricos do design de produção junto à magistral trilha sonora composta pelo maestro polonês Abel Korzeniowski.






Premiado em Veneza e indicado ao Oscar de Melhor Ator, Colin Firth entrega a melhor atuação de sua carreira até então. Sem deixar transparecer o desespero que seu personagem alimenta interiormente, George camufla sua depressão em um sujeito introspectivo e reservado, mas que se mostra disposto a aproveitar aquele que talvez fosse seu último dia de vida. E Firth, mais uma vez, realiza um trabalho brilhante ao mergulhar no íntimo de um personagem tão complexo, que exterioriza seus sentimentos com discrição e cautela. E no campo de coadjuvantes, o grande destaque é a talentosa Julianne Moore, que está radiante no pouco tempo que aparece em cena.


“Direito de Amar” entra para o hall quilométrico das traduções mais porcas que um filme já recebeu. Em meio a tanta beleza e sofisticação, um título digno de novela mexicana. Vai entender essas distribuidoras... Fato é que a estreia de Tom Ford nos cinemas resulta em uma dos filmes mais delicados e singelos do ano, que beneficiado por um trabalho harmônico de uma equipe em total sintonia, alia beleza estética com um roteiro enxuto e emocionante.


NOTA: 8,0


DIREITO DE AMAR (A Single Man) EUA, 2009

Direção: Tom Ford

Roteiro: Tom Ford e David Scearce

Elenco: Colin Firth, Julianne Moore, Matthew Goode e Nicholas Hoult

13 comentários:

Clenio disse...

Oi, já falei sobre este filme no meu blog

http://lennysmind.blogspot.com/2010/03/direito-de-amar.html

Acho uma estreia extremamente bem-sucedida de Tom Ford como diretor. Ele demonstra mais sobriedade, talento e sutileza do que muitos veteranos.
E Colin Firth e Julianne Moore estão bárbaros.

Grande abraço
Clênio
www.lennysmind.blogspot.com
www.clenio-umfilmepordia.blogspot.com

Alan Raspante disse...

Estou completamente doido pra ver este filme, estou super curioso. O longa não achegou nos cinemas aqui da minha cidade, e acho que nem chegará e por equanto nada dele em DVD... espero que consiga ver logo!
Abs.

Reinaldo Glioche disse...

Concordo com suas colocações Elton. De fato, foi uma estréia arrebatadora e Firth, tal como Clooney, estava melhor do que Jeff Bridges.
Quanto a esse filme inglÊs Hunger, já li sobre, mas obviamente ainda anão vi. Mas sua analogia me deixou intrigado.
grande abraço!

Raisa Larissa Marcondes disse...

Adorei o teu blog! Vou visitar sempre que puder... chorei litros de risos da lista dos casai mais bregas(?) do cinema. XD

cabaretcinefilo disse...

Tom, particularmente acho uma obra brilhante, a melhor do ano passado, e já umas das mais queridas pra mim! Colin Firth está em seu melhor momento, a Juliane mesmo que em seus meros 10 minutos de cena mostra que é sempre uma excepcional atriz, a fotografia que muda de tom sempre conforme a situação do personagem ... e por fim a trilha que eu já ouvi pra lá de 300 vezes, tudo se resume em uma obra fascinante.

Pode até parecer exagero, mais coloquei o filme entre meus 10 favoritos.

Um Abraço!

Francisco Brito disse...

Vida longa a este blog!
E é sempre mt bom ver atores subestimados como Colin Firth finalmente sendo reconhecidos.
Parabéns pelo texto!

Rodrigo Mendes disse...

Uma combinação perfeita. Figurino e cinema, em nenhum outro filme que eu tenha visto na última temporada e acho que será assim nos próximos anos.

Foi uma estréia digna de "Orson Wells em Kane". Espero que o Ford faça novos filmes e que não seja vítima de um primeiro sucesso.

Firth está ótimo.

Adoro a cena em que o namorado dele está lendo Bonequinha de Luxo!

Abs.

bruno knott disse...

Os caras se superam no quesito tradução de títulos... cada um mais bizarro que o outro.

Quanto ao filme em si, quero muito assistir, tanto pelo Colin Firth como pela trilha sonora.

Abs.

Elton Telles disse...

Clenio: Concordo com o seu comentário. Tom Ford está muito bem em sua estreia como diretor. Esperemos que ele abandone a moda e passe a diriir mais filmes, não? =)


Alan: esse filme só chegou na minha cidade por intervenção divina rs. Não tem outra explicação. Veja sim, vale muito a pena! Um dos filmes mais bonitos do ano!


Reinaldo: ainda não conferi "Coração Louco" para falar sobre o desempenho de Jeff Bridges, mas Firth (e Clooney) estão mesmo ótimos em seus papéis. Quanto a "Hunger", essas distribuidoras brasileiras me deprimem, cara... tipo de filme que não pode ficar inédito por aqui, não.


Raisa: Ae! Valeu pela visita. Pode entrar sem bater ;)


Cleber: Concordo com o seu posicionamento. E não acho exagero colocar entre os 10 favoritos, não. De forma alguma. "Direito de Amar" é um filme perfeito para as pessoas mais sensíveis e fico feliz que você tenha gostado do filme.


Chico: Ae! Valeu! Então, não acho Colin Firth um ator subestimado, não. Acho que ele não tem nenhuma atuação tão digna como essa, talvez até por não ter tido chances antes e tal, mas pra mim ele era indiferente - até agora.


Rodrigo: a cena de "Bonequinha de Luxo" é muito legal mesmo hahaha! Ford arrebentou, mas a comparação com Orson Welles eu achei um pouco forçada rs, mas isso varia de cada interpretação. A técnica realmente em casamento perfeito!


Bruno: nem me fale. Uma vergonha para a nação! rs


ABS!

Karen Faccin disse...

Ao contrário da Toninha, não poderia me abster, rs.

Filme impecável!
T-O-M F-O-R-D não poderia estar menos elegante e sensível,com uma estreia digníssima!
Isso sem falar da fotografia e trilha sonora maravilhosas e da atuação emocionante de Firth.

Um filme para sentir.

Wally disse...

Talvez meu filme preferido do ano.

Elton Telles disse...

Karen: "um filme para sentir". Perfeita colocação! Concordo que Firth está excelente e a respeito dos trabalhos de fotografia e trilha sonora. E Tom Ford é um sujeito ultra bem-vindo no cinema. Espero que as portas estejam sempre abertas a ele =)


Wally: uau! Difícil dizer isso... mas dos que vi até agora, o meu preferido do ano é a animação "Mary & Max".


ABS!

Cristiano Contreiras disse...

Filme tão denso, impactante, mexe com a solidão e é bem intimista...gosto do apuro técnico, da forma como a câmera foca a bela composição interpretativa de Colin Firth...fiquei fascinado pelo filme!

Merecia maior atenção no Oscar!

Abraço